O Parque dos Dinossauros de Michael Crichton

Quem não viveu a década de 90 em uma caverna conhece o filme Jurassic Park, do diretor Steven Spielberg. O filme, lançado em 1993, é um grande clássico de ficção científica, e teve uma versão remasterizada em 3D e IMAX lançada em 2013.
No entanto, muitas pessoas não sabem que o filme foi baseado em uma obra literária. O livro O Parque dos Dinossauros, do autor Michael Crichton, foi lançado em 1991 e serviu de inspiração para o roteiro do longa de Spielberg.

Como mencionado, o filme foi inspirado na obra. O roteiro do filme não segue os mesmos acontecimentos do livro, embora o cerne da história seja o mesmo:  o paleontólogo Alan Grant, a paleobotânica Ellie Sattler, o matemático Ian Malcolm e o advogado Donald Gennaro fazem uma expedição à Ilha Nublar, na Costa Rica, onde empresário John Hammond está construindo um parque temático com dinossauros vivos, clonados através de tecnologia genética. Durante um tour pelo parque, acompanhados dos netos de John Hammond, Tim e Alexis Murphy, ocorre uma falha na segurança que transforma o passeio em uma luta pela sobrevivência.

Uma das principais diferenças entre o filme e o livro é o embasamento científico apresentado no livro pelo autor. Respeitando-se, obviamente, a quantidade limitada de informações que pode ser apresentada em uma obra cinematográfica, vários aspectos do filme ficam cientificamente incorretos ou sem explicação, como por exemplo o Tiranossauro que só pode enxergar movimentos -  no livro, isso se deve a uma modificação no DNA, já que os cientistas acreditam que o Tiranossauro podia sim enxergar alvos parados. O livro fala muito mais sobre os dinossauros, sobre cada uma das espécies presentes na história, sobre o seu comportamento observado no parque em contraste com os fatos conhecidos pelos cientistas.

Raaawwwrrrrr cadê todo mundo? :(
Uma das coisas que mais me agradou no livro é que o autor foi extremamente comprometido com a pesquisa do aspecto científico da história, e ainda assim é bastante despretensioso. Ele inicia o livro apresentando e agradecendo cada uma das suas fontes, explicando como foi feito o estudo de cada aspecto científico e ressaltando que apesar de toda a sua pesquisa, as opiniões expressas na obra são dele, e quaisquer erros factuais são sua inteira responsabilidade. O autor ambienta o leitor em uma corrida do ouro genética no final do século XX, e todos os fatos são contextualizados e explicados de uma forma simples, que torna a leitura leve e agradável.

Outra grande diferença entre as obras é que o livro apresenta a Teoria do Caos de maneira mais extensa e interessante com um propósito: todos os acontecimentos da história são contextualizados na teoria, explicada ao longo do livro por Ian Malcolm. Malcolm, que no filme aparece como uma figura excêntrica e sem muito propósito, no livro é um matemático genial, especialista em Teoria do Caos, e parece ser o único capaz de entender a causa e as consequências dos acontecimentos na ilha. Malcolm afirma desde o início que o projeto de John Hammond esta fadado ao fracasso, o que o torna alvo da raiva do empresário. Por sinal, o John Hammond do livro não tem nada do velhinho inocente e simpático apresentado no filme.

O Parque dos Dinossauros de Michael Crichton é uma obra sensacional, muito empolgante e muito bem escrita.  Pra quem gosta de ficção científica e principalmente pra quem adora dinossauros e Jurassic Park, assim como eu, é uma leitura obrigatória! Fica a sugestão :)


Gostou? Não gostou? Não concorda com nada do que eu disse? Deixe seu recado. Quer entrar em contato conosco, dar a sua sugestão de assunto que gostaria de ver por aqui: blogdoselback@blogdoselback.com.br . Espero que tenham gostado, até o próximo post, divirtam-se e até logo. 

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape